• Menu
  • Menu

Quão Rápido Nadam As Baleias: Factos Científicos

Blog » Vida Selvagem » Quão Rápido Nadam As Baleias: Factos Científicos

As baleias são os maiores animais vivos. Embora vistos como gigantes em movimento lento, se necessário, podem nadar muito rápido. Sabe a que velocidade as baleias podem nadar?

A chave para o sucesso é sua hidrodinâmica absolutamente extraordinária. Com uma forma semelhante à de um torpedo, estes animais estão muito bem adaptados a mover-se debaixo de água.

O seguinte artigo dá-lhe uma resposta detalhada, com base numa abordagem científica.

Características que afetam a velocidade de natação de uma baleia

As baleias pertencem à ordem cetácea. Os cetáceos são mamíferos marinhos, totalmente adaptados à vida na água. As características que os definem incluem: “um corpo aerodinâmico, barbatanas dianteiras achatadas, sem membros posteriores, cauda desossada, crânio alongado, aberturas nasais no topo da cabeça, uma barbatana dorsal ou crista, uma espessa camada de gordura e órgãos reprodutivos internos” (Carwardine, 2020).

Atualmente, existem 2 grupos existentes (subordens) de cetáceos: Odontoceti (baleias com dentes) e Mysticeti (baleias de barbas).

As baleias com dentes, tal como o nome indica, têm dentes nas mandíbulas e caçam para se alimentarem. Por outro lado, as baleias de barbas têm placas densas em vez de dentes que ajudam a filtrar a água no momento em que estão a alimentar-se. Atualmente, existem 2 grupos existentes (subordens) de cetáceos: Odontoceti (baleias com dentes) e Mysticeti (baleias de barbas).

Ambos os grupos de cetáceos têm algumas características essenciais que permitem a sua excelente capacidade de natação. Ostentam uma grande hidrodinâmica, ajudada pelo facto de os seus membros anteriores terem evoluído para barbatanas e os seus limites traseiros terem sido reduzidos. Além disso, são na sua maioria sem pelos para minimizar o arrasto e as vértebras do pescoço facilitam o movimento de alta velocidade.

Mark Carwardine - Handbook of Whales, Dolphins and Porpoises - A Bryde's whale how fast can whales swim
Mark Carwardine – Manual sobre Baleias, Golfinhos e Botos – A baleia de Bryde

Quão rápido as baleias podem nadar

Então, dado tudo isto, quão rápido as baleias podem nadar? A verdade é que depende. No entanto, de acordo com algumas fontes, tem havido relatos de baleias a atingir velocidades de 60 km/h! Isto significa que eles podem nadar 6 vezes mais rápido que o recordista olímpico Michael Phelps e podem até mover-se mais rápido que a velocidade máxima de Usain Bolt em terra!

As velocidades específicas em que as baleias podem nadar dependem da atividade particular que estão a fazer. Ao viajar em longas distâncias (por exemplo, migração), movem-se a uma velocidade mais lenta e eficiente, de modo a conservar mais energia enquanto cobrem a maior distância possível.

Por outro lado, as baleias também são capazes de fazer viagens mais curtas a alta velocidade, por exemplo, quando tentam caçar ou quando saltam. No entanto, os cetáceos só recorrem a este tipo de movimentos de alta velocidade quando é estritamente necessário, porque dado o seu tamanho, gastam grandes quantidades de energia. Então vamos ver com alguns exemplos de espécies, quão rápido as baleias podem nadar.

Mark Carwardine - Handbook of Whales, Dolphins and Porpoises - A Sei whale how fast can whales swim
Mark Carwardine – Manual sobre Baleias, Golfinhos e Botos – A baleia sardinheira

Baleias de barbas mais rápidas

Baleia sardinheira – a literatura sugere que esta espécie pode chegar aos 60 km/h em viagens de alta velocidade! A maioria das fontes, no entanto, apontam para uma estimativa mais conservadora de 55 km/h (que ainda é incrivelmente rápido), com velocidades de cruzeiro que podem chegar aos 25 km/h. Estas velocidades permitem que esta baleia ultrapasse quaisquer potenciais predadores, como baleias assassinas!

Baleia azul – o maior animal que já viveu no planeta Terra. A baleia azul pode atingir velocidades de 35 km/h, com a literatura a sugerir mesmo que as baleias azuis podem atingir até 50 km/h! Por outro lado, costumam fazer viagens a 3-6 km/h, embora possam viajar a um ritmo sustentado de 20 km/h.

Baleia comum – esta espécie pode atingir uma velocidade de cerca de 37-45 km/h! Graças ao seu corpo extremamente aerodinâmico, também pode atingir velocidades de cruzeiro de 30 km/h, que pode ser o ritmo de viagem mais rápido e sustentado de todas as baleias de barbas!

Mark Carwardine - Handbook of Whales, Dolphins and Porpoises - A blue whale how fast can whales swim
Mark Carwardine – Manual sobre Baleias, Golfinhos e Botos – A baleia azul

Baleias com dentes mais rápidas

Ao contrário das baleias de barbas, que se alimentam de grandes e densos aglomerados de pequenas presas, como krill, as baleias com dentes caçam a sua comida, geralmente uma presa de cada vez. Para isso, também precisam de ser capazes de atingir altas velocidades e ter uma grande manobrabilidade subaquática.

Golfinho comum – este cetáceo relativamente pequeno pode atingir velocidades de até 60 km/h em viagens curtas! Sendo uma das espécies de mamíferos marinhos mais estudadas, a literatura sugere que estes animais viajam a velocidades que variam entre os 6 e os 20 km/h.

Baleia assassina / Orca – o predador ápice do oceano, esta espécie da família dos golfinhos pode atingir velocidades incríveis de 55 km/h! Verdadeiramente feito para caçar. Apesar de viajarem a velocidades de 5-10 km/h, estes animais implacáveis podem manter velocidades de 45 km/h quando perseguem presas.

Toninha de Dall – Este animal pode atingir velocidades de cerca de 55 km/h, com viagens sustentadas de até 20 km/h ao andar nas ondas formadas por barcos.

Mark Carwardine – Manual de baleias, golfinhos e botos – orcas tipo D

Velocidade máxima de natação das baleias em comparação com outros animais marinhos

Costuma-se pensar que, dado o facto de que os peixes passaram por todos os seus estágios evolutivos debaixo d’água, eles estão muito melhor adaptados para movimentos de alta velocidade nesse meio. Embora a maioria dos artigos não científicos aponte para animais como peixes agulha, atum e tubarões serem muito mais rápidos do que qualquer baleia, essa ideia deve ser interpretada com cautela.

Na verdade, existe um limite máximo teórico para as velocidades dos animais marinhos, devido a um fenómeno conhecido como cavitação. A literatura sugere que, se forem alcançadas velocidades superiores a 55 km/h, podem formar-se bolhas de vapor e, quando estas colapsam, podem causar danos duradouros às barbatanas dos animais. Este raciocínio pode explicar porque é que a literatura que fala sobre as velocidades de cetáceos superiores a 55 km/h é tão escassa. A baleia sardinheira e as velocidades reportadas pelos golfinhos comuns até 60 km/h podem ser excecionais e incomuns, com potenciais riscos para estes animais.

Dito isto, os primeiros registos (ca dos anos 40-1960) revelam que o peixe agulha, por exemplo, atinge velocidades muito altas – potencialmente mais de 100 km/h. Isto contradiz as evidências teóricas modernas acima referidas, bem como as medições de velocidade mais recentes para estas (e outras) espécies de peixes, com valores que não ultrapassam a barreira dos 55 km/h. Seja como for, a única coisa que está clara é que as evidências atuais sobre esse tópico podem ser contraditórias e ainda inconclusivas!

Em resumo, ao contrário do que se possa acreditar, é possível que os cetáceos não estejam muito atrás de outras espécies marinhas no que diz respeito às suas proezas de natação!

Exemplo de baleias e golfinhos a movimentarem-se a altas velocidades

Conclusão

Em conclusão, a ciência mostra-nos que pode ser bastante difícil coroar a baleia mais rápida, quanto mais o animal marinho mais rápido. Os dados existentes podem ser contestados com novos estudos a começarem a contradizer os mais antigos, e diferentes metodologias de estudo dificultando o consenso.

De qualquer forma, há uma coisa de que podemos ter a certeza: as baleias têm corpos construídos para movimentos subaquáticos. E o mais surpreendente é o facto de todos os cetáceos apresentados neste artigo, com exceção da toninha de Dall, poderem ser vistos aqui nos Açores! Agora sabe o quão rápido as baleias podem nadar!

Se quiser saber mais sobre como observar estas belas espécies de cetáceos nos Açores, junte-se à Futurismo nas suas próximas férias. Teremos o prazer de o receber e apresentar-lhe estas magníficas criaturas!

TOUR RELACIONADO
Observação de baleias e golfinhos em Ponta Delgada | Reserve agora!

Referências

Berta, A. (Ed.). (2015). Whales, dolphins, and porpoises: A natural history and species guide. University of Chicago Press.

Block, B. A., Booth, D., & Carey, F. G. (1992). Direct measurement of swimming speeds and depth of blue marlin. Journal of Experimental Biology, 166(1), 267-284.

Bush, N. (2007). Spatio-temporal Comparisons Between Acoustic and Visual Detection of the Short-Beaked Common Dolphin (Delphinus Delphis) in the St. George’s Channel, in Relation to Environmental Features (Doctoral dissertation, University of Wales Bangor).

Carwardine, M. (2019). Handbook of whales, dolphins and porpoises. Bloomsbury Publishing.

NOAA. (n.d.). Dall’s Porpoise. (n.d.). NOAA. Retrieved February 18, 2022, from https://www.fisheries.noaa.gov/species/dalls-porpoise

Domenici, P., Wilson, A. D. M., Kurvers, R. H. J. M., Marras, S., Herbert-Read, J. E., Steffensen, J. F., … & Krause, J. (2014). How sailfish use their bills to capture schooling prey. Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences, 281(1784), 20140444.

Iosilevskii, G., & Weihs, D. (2008). Speed limits on swimming of fishes and cetaceans. Journal of The Royal Society Interface, 5(20), 329-338.

Marras, S., Noda, T., Steffensen, J. F., Svendsen, M. B., Krause, J., Wilson, A. D., … & Domenici, P. (2015). Not so fast: swimming behavior of sailfish during predator–prey interactions using high-speed video and accelerometry. Integrative and comparative biology, 55(4), 719-727.

Segre, P. S., Potvin, J., Cade, D. E., Calambokidis, J., Di Clemente, J., Fish, F. E., … & Goldbogen, J. A. (2020). Energetic and physical limitations on the breaching performance of large whales. Elife, 9, e51760.

Still, R., Harrop, H., Dias, L., & Stenton, T. (2019). Europe’s Sea Mammals Including the Azores, Madeira, the Canary Islands and Cape Verde. Princeton University Press.

Svendsen, M. B., Domenici, P., Marras, S., Krause, J., Boswell, K. M., Rodriguez-Pinto, I., … & Steffensen, J. F. (2016). Maximum swimming speeds of sailfish and three other large marine predatory fish species based on muscle contraction time and stride length: a myth revisited. Biology open, 5(10), 1415-1419.

Wardle, C. S., Videler, J. J., Arimoto, T., Franco, J. M., & He, P. (1989). The muscle twitch and the maximum swimming speed of giant bluefin tuna, Thunnus thynnus L. Journal of fish biology, 35(1), 129-137.

Dinis Jacob